CALDA BORDALEZA

CALDA BORDALESA

Controle de doenças de folhas : mancha de cladosporium, requeima , septória

1 - A calda concentrada:

Preparar antes uma calda concentrada de estoque para ser guardada e diluída na hora de ser usada.
Essas soluções se guardadas em recipientes vem vedados para evitar a evaporação e aumento de concentração
Os recipientes devem ser de alvenaria, fibra, plástico, madeira ou vidro, pois a ação corrosiva do sulfato de cobre perfura recipientes como tonéis ou latões.
Para a elaboração da calda bordalesa concentrada , prepara-se uma solução estoque concentrada , concentrada de cal com concentração de 20% e uma solução estoque de sulfato de cobre também com 20%.


2 - Como fazer a calda concentrada estoque de cal:

Material :
- Um balde de plástico
- 1 kg de cal virgem ou cal hidratada ( a cal hidratada dever ser a de pintura sem fixador )
- 5 litros de água

Preparando a calda estoque de cal:
- Colocar 1 kg de cal no balde
- Colocar um pouco de água no balde e com a ajuda de uma pá de madeira ir mexendo e queimando a cal devagar, muita água no começo prejudica a reação. Se a cal for de qualidade a reação produz calor com intensidade e pode provocar queimaduras;
- Colocar água aos poucos completando 5 litros de água;
- Quando utilizar cal hidratada proceder da mesma forma com a diferença de que a calda hidratada não produz calor;
- Coar antes de guardar que deverá ser armazenado , podendo ser um garrafão de vidro ou um galão de plástico.


3 - Como fazer a calda concentrada estoque de sulfato de cobre :

Material :
- Um balde de plástico
- 1 kg de sulfato de cobre
- 5 litros de água

Preparando a calda estoque de sulfato de cobre:
- Colocar 5 litros de água no balde
- Colocar 1 kg de sulfato de cobre em um saquinho de pano e com a ajuda de um arame pendure-se este conteúdo na parede interna do balde mas sem encostar no fundo do balde, caso contrário o sulfato demora a desmanchar;
- O sulfato de cobre se dissolve em poucos minutos em água fervente;
- Se usar água com temperatura ambiente a dissolução demora 4 horas ou mais;
- Coar antes de guardar que deverá ser armazenado , podendo ser um garrafão de vidro ou um galão de plástico.


4 - Dosagem a ser usada:

Concentração
desejada
Volume de solução estoque concentrada de cal
Volume de solução estoque concentrada de sulfato de cobre
Volume de água a adicionar ( Litros )
0,25
125 ml
125 ml
9,75
0,5 %
250 ml
250 ml
9,5
0,75%
375 ml
375 ml
9,25
1,0%
½ litro
½ litro
9,0
2,0%
1 litro
1 litro
8,0
3,0%
1,5 litro
1,5 litro
7,0
Pasta bordalesa*
5 litros
5 litros
0

*Pasta bordalesa: não se adiciona nada de água


5 - Preparação de calda bordalesa ( com base em soluções concentradas de cal e sulfato de cobre ):

Como exemplo apresentaremos os procedimentos básicos para a preparação de 10 litros de calda bordalesa com concentração de 1% a partir de soluções estoque concentradas de cal e sulfato de cobre.

1º passo: coloque 9 litros de água no pulverizador
2º passo: sobre a água despeje ½ litro da solução estoque de cal aos poucos , lentamente e sob forte agitação até diluir alguns coágulos brancos que aparecer
3º passo : sobre a solução de água e cal despeja-se ½ litro da solução estoque de sulfato de cobre que deve ser derramada aos poucos , lentamente e sobe forte agitação. Agitar a solução estoque de sulfato de cobre antes de retirá-la do recipiente onde estava armazenada.

6 - Observação:

- O instrumento usado para agitar o cal não pode ser usado para agitar o sulfato de cobre.
- O pH da calda pronta para ser usada deve ter 7 a 7,5, calda ácida tem efeito fitotóxico e muito alcalina tem seu efeito diminuído.
- Mede-se o pH através de papel indicador próprio
- Na prática determina-se o pH mergulhando uma faca na solução se a faca ficar escura significa oxidação e que a solução está acida e precisa-se colocar um pouco mais de água de cal
- Pulverizar somente nas horas frescas do dia.

7 - Utilização :

Sementeira; mudas de tomate, pimentão, cebola, couve-flor e alface

Concentração : 0,25%

Época de aplicação:
- Depois que as plantas emitir as 2 primeiras folhas definitivas.
- Repolho e couve-flor: mando aparecer míldio  fazer a 1ª pulverização logo que as folhas cotiledonares aparecerem  e repetir de 1 a 2 dias de intervalo.
Tomate e pimentão :  evitar aplicações nos primeiros 15 a 20 dias após a germinação

Alho e cebola:

Concentração: 0,5%
Até os 30 dias após a germinação do alho, caso necessário, aplica-se bordalesa  na concentração de 0,25%.  De setembro em diante, a época mais propícia ás doenças, em casa de ataque severo, aplica-se na concentração de 1%

Época de aplicação:
De preferência a partir de agosto/setembro quando a temperatura começa a aumentar e as condições ficarem favoráveis as doenças ( míldio, ferrugem, alternaria e botritis )
- A Bordalesa se destaca pela sua boa ação contra o míldio, ferrugem e botritis.
- Em plantações em que o míldio é problema sério, deve-se começar preventivamente, pulverizações com a bordalesa.
- Para maior segurança e melhor ação  sobre várias doenças, é mais  conveniente alternar as aplicações de bordalesa com a calda sulfocálcica.

Frequencia da aplicação:
Semanalmente, quinzenalmente ou mensalmente, conforme o estado da cultura ou intensidade da doença.

Cenoura, beterraba e ervilha:

A bordalesa possui boa ação contra a mancha da alternaria e cercospora.

Concentração : 0,25% a 1%
- Plantas novas até 10-15 cm 0,25%  , plantas com mais de 15 cm 0,5%
- Em casos severos pode-se usar 1% após ter ambientalizado a cultura com 1 ou pulverizações de 0,5%

Época de aplicação:
- Cenoura e beterraba: quando aparecerem os primeiros sintomas, pois as doenças regridem rapidamente com as pulverizações.
- Em ervilha:  é conveniente iniciar as pulverizações preventivamente e alternadas com sulfocálcica.

Alface, rúcula e rabanete:

Concentração : 0,25%
Observou uma excelente ação  com 0,25%, já a concentração de 0,5% se mostrou altamente fitotóxica se utilizada no inverno.

Época e frequência de aplicação
- Normalmente 2 a 3 aplicações  são suficientes.
- O rabanete  normalmente dispensa as pulverizações.
- Em alface , em função de doenças como a esclerotinia bacterioses, é prudente utilizar o seguinte esquema de pulverizaçãoabaixo. 
- 1ª aplicação: uma semana após o transplante ou 25 a 20 dias após a germinação em caso de plantio direto.
- Ultima aplicação : no início da formação da cabeça do repolho.

Pepino, moranga, abóbora, melancia e melão:

Concentração, época e frequência de aplicação :
- 1ª aplicação: 0,25% , quando estiverem com 4 a 5 folhas definitivas
- 2ª aplicação: 0,5% na pré floração
- 3ª aplicação: 0,5% no aparecimento dos primeiros frutos
- 4ª aplicação: 0,5% aos 15 a 20 dias após a 3ª aplicação
- 5ª aplicação: 0,5%  na pré colheita ou início dela
- 6ª aplicação: 0,5% na metade da colheita

Observações:
- No pepino dispensa-se a 4ª pulverização
- Se no período de frutificação em diante  surgir um ataque severo de doenças aumenta-se a concentração para 1%

* Além das aplicações nos estágios indicados, poderá ser necessário um maior número de pulverizações, dependendo da intensidade da doença e chuvas.Pode-se inclusive haver necessidade de pulverizações semanais ou até 2 vezes por semana.

Tomate, pimentão e batata:

Concentração e época de aplicação:
- Nessas culturas, a concentração varia de 0,25% até 1%. Em plantas de batata com até 15 a 20 cm de
altura; e em pimentão e tomate com até 30 a 40 cm, a concentração deve ser de 0,25%.
- Manusear a caneta do pulverizador de modo a evitar a pulverização nos ponteiros, devido a possível
efeito fitotóxico.
- Evitar a aplicação de bordalesa até aos 30 a 40 cm de altura, danto preferência para a sulfocálcica nesta
fase.
- Em plantas de batata acima de 20 cm de altura e em tomate e pimentão com mais de 30 a 40 cm, deve-se
aplicar na concentração de 0,5%.
- Em casos severos de doenças, pode-se aplicar até a concentração de 1%; e até 1,5% em casos severos de requeima.
- Numa ocasião conseguimos controlar intenso ataque de esclerotínia em sementeira de tomate e em
plantas adultas desta cultura em estufa. Aplicações semanais diretas sobre a lesão na haste das plantas
com bordalesa 0,5% não permitiu a expansão da lesão, ocorrendo cicatrização da mesma.
- Em qualquer estágio da cultura do tomate e pimentão, evitar a parte apical da planta, ou seja, o quarto
superior da sua altura.

Frequência da aplicação:
- Aplicar semanalmente, quinzenalmente ou mensalmente, de acordo com o aspecto da cultura, intensidade de doença e umidade. Em casos severos de requeima, podem ser necessárias até duas aplicações por semana, até a doença regredir.

Repolho e couve-flor:

A ação da calda bordalesa sobre as brássicas também é muito boa.
Nestas culturas, além da ação favorável sobre outras doenças, observou-se que aplicações semanais de bordalesa 0,25% no início e 0,5% mais tarde controlou expressivos focos da doença esclerotínia.

Concentração e época de aplicação:
- 1ª aplicação: uma semana após o transplante, na concentração de 0,25%.
- 2ª aplicação: 20 a 25 dias após a primeira aplicação, na concentração de 0,5%.
- 3ª aplicação: no início formação da “cabeça”, na concentração de 0,5%.
- 4ª aplicação: na metade do estágio de formação da “cabeça”, na concentração de 0,5%.
Cabe observar que o número de aplicações poderá ser alterado, dependendo da intensidade de doenças e chuvas.

Morango:

Concentração e época de aplicação:
- Até aos 30-40 dias após o plantio: concentração de 0,25%.
- Dos 40 dias até imediatamente antes da floração: concentração de 0,5%.
- Durante a floração e frutificação: 0,25% a 0,4%.
- Até agosto/setembro deve-se evitar o uso de bordalesa, devido a sensibilidade do morango à toxidez do cobre em épocas de temperaturas baixas. Neste período, deve-se dar preferência ao uso de sulfocálcica.

Frequência de aplicação:
- Semanalmente, quinzenalmente ou mensalmente, conforme a intensidade de doenças e umidade. Em casos severos de doenças, aplicam-se duas vezes por semana.

Feijão e feijão-vagem:

Concentração, época e frequência de aplicação:
- Aos 20-25 dias após a germinação: usar concentração de 0,25%. No caso de ocorrência de dias frios, principalmente em vésperas de geadas; substituir a aplicação de bordalesa por sulfocálcica.
- Na pré-floração: concentração de 0,5%.
- Na formação da primeiras vagens: concentração de 0,5%.

* Cabe salientar que informações sobre o uso da calda bordalesa nessas e noutras espécies frutíferas encontram-se mais detalhadas em capítulos dessa obra.


Fonte: Referenciais Tecnológicos para a Agricultura Familiar Ecológica
            A Experiência da Região Centro-Serra do Rio Grande do Sul

            EMATER-RS

Nenhum comentário:

Postar um comentário